Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

tele atendimento 51 3092.3333
Av. Assis Brasil, 3459 - Cristo Redentor - CEP 91010-007 - Porto Alegre - RS
Home  |   Empresa  |   Imóveis  |   Veículos  |   Ofertas  |   Trocas  |   Financiamento  |   Garantia  |   Localização  |   Contato
   
Get Adobe Flash player
     

notícia

     
Como seria o Chevrolet Chevette hoje em dia?

A GM lançou o pequeno Chevette em 24 de abril de 1973 para tentar conter o sucesso do Fusca, cujo reinado não chegou a ser ameaçado. Mesmo assim, o carro conquistou uma legião de fãs e se tornou um dos modelos mais vendidos da história da indústria automotiva nacional. Além da robustez, o modelo ficou conhecido pela economia de combustível durante os 20 anos em que foi produzido. Hoje seu lugar está sendo ocupado pelo Corsa Sedan. Mas se a GM resolvesse fazer uma versão moderna do Chevette, como seria sua aparência? É o que mostram as projeções do designer Eduardo Oliveira.

“Levei em conta a geração feita entre 1978 e 1982 , com frente “bicuda”, faróis com refletores circulares montados em uma moldura trapezoidal e a falsa entrada de ar na coluna traseira”, conta Oliveira. Também fiz a versão esportiva S/R, com o mesmo padrão de cores usado no Corvette “Marko Shark”, completa ele. Pintado de preto, cinza e branco, com um discreto defletor de ar na traseira, FIFA 15 Coins o Chevette esportivo é um clássico nacional entre os mais raros. Vinha com motor 1.6 de 80 cavalos e atingir 148 km/h, uma marca respeitável entre os hatches pequenos do início dos anos 80.

As primeiras unidades do modelo da GM vinham com motor 1.4, com comando de válvulas no cabeçote, eram garantia de bom desempenho e baixo consumo de combustível. Com ele, o Chevette oferecia 60 cavalos de potência (líquida) a 5.400 rpm e 9,2 mkgf de torque (líquido) a 3.600 rpm. Outra vantagem era o espaço do cofre, que facilitava o acesso a qualquer peça do motor que precisasse ser trocada. FIFA Ultimate Team Coins Em 1979, a GM passou a oferecer outra facilidade, a opção de quatro portas - – demorou um pouco a chegar, mas vale lembrar que nessa época os brasileiros preferiam os modelos de duas portas.

Disponível também na versão hatch, o Chevette foi eleito Carro do Ano pela revista Autoesporte e, em outubro de 1983, também ganhou a opção picape com a chegada da Chery 500. Em 1987 atingiu a marca de um milhão de unidades vendidas no Brasil. Com o incentivo aos modelos com motor de um litro de cilindrada, a GM lança a versão Junior, em 1992. Nos últimos dias no mercado foi vendido apenas com motor 1.6, até novembro de 1993.





 
ez Comunicação